5 erros no controle de caixa que podem “quebrar” a sua empresa

Alguns erros no controle de caixa podem derrubar o seu...

Alguns erros no controle de caixa podem derrubar o seu planejamento financeiro e implementar e usar o fluxo de forma correta pode parecer um grande desafio, mas o que fazer para evitar isso? Neste post você conhecerá 5 erros no controle de caixa que podem “quebrar” a sua empresa e aprenderá como evitá-los para que a sua gestão financeira seja campeã!

Vamos lá?

 

1. Não separar as suas finanças das empresariais

Não separar as suas finanças pessoais das empresariais é um erro bastante prejudicial para o correto controle do fluxo de caixa. Ao pagar suas contas com o dinheiro da empresa fica impossível conhecer qual é a real situação financeira de seu negócio e isso pode impactar de forma negativa os seus resultados.

 

Para evitar esse erro procure ter contas-correntes, cartões de crédito e débito separados para pessoa física e jurídica. Adicionalmente, procure evitar levar as suas contas pessoais para o escritório e vice-versa, o que ajuda a evitar a confusão patrimonial.

2. Não conhecer o seu mercado de atuação

Um dos erros que podem afetar o seu controle de caixa é o não conhecimento do mercado de atuação. Caso você inicie sua empresa ou opte por um novo produto sem entender o mercado, não saberá, por exemplo, quais são as épocas de maiores e menores saídas de produtos e serviços, o que poderá comprometer as suas disponibilidades de recursos.

 

Não conhecer o seu mercado de atuação também pode comprometer outro elemento essencial para um bom controle de caixa, que são os estoques. Assim, caso você não saiba quanto tempo leva para comprar, produzir e vender, pode ficar com mercadorias ou produtos parados e com isso ter prejuízos que poderão minar as suas finanças.


3. Não ter um planejamento pode quebrar a empresa

De nada adianta conhecer o seu mercado e não ter um planejamento e de nada adianta planejar se você não seguir o que foi definido. Assim, não planejar utilizando o seu controle de fluxo de caixa pode ser um erro fatal para sua empresa. Além de definir onde sua empresa está, é preciso determinar onde você quer chegar e, com base nisso, quais serão os recursos financeiros que serão necessários para alcançar os seus objetivos.

 

E mais: um planejamento também será preciso para que você defina, por exemplo, quanta matéria-prima precisará comprar e quanto de recursos financeiros isso irá consumir — ou seja, isso afetará diretamente o seu caixa e caso você não se planeje poderá ter problemas para a própria manutenção de suas atividades.

 

O planejamento também servirá de base para que você acompanhe os valores que foram definidos como metas, tanto para os gastos quanto para as receitas. Esses valores poderão ser comparados com o acompanhamento do controle de fluxo de caixa para compreensão se suas metas foram alcançadas e, caso não tenham sido batidas, você poderá entender o que houve e traçar novas estratégias para atingir os seus objetivos.

 

4. Superestimar a previsão de vendas

Agora que você já sabe que não deve errar no planejamento é preciso ficar atento a outro ponto, que é o otimismo em relação à previsão de vendas.

 

Na hora de considerar seu faturamento é necessário utilizar como base os valores históricos de seus registros do controle de fluxo de caixa e também projeções de mercado e economia, além de outros dados que possam deixar a sua previsão o mais realista possível.

 

Aqui o indicado é que você seja o mais conservador possível, já que um provável otimismo que não se confirme poderá prejudicar negativamente as suas finanças. Outra dica nesse ponto é ser conservador também em relação aos gastos, estimando possíveis folgas financeiras para que você possa arcar com tudo caso existam desembolsos extras.

 

5. Considerar valores que ainda não fazem parte do caixa

Considerar valores que ainda não fazem parte do caixa é um erro muito mais comum e fácil de se cometer do que se imagina. Esse erro acontece tanto com os cheques pré-datados quanto nas compras e vendas a prazo.

 

No caso dos cheques pré-datados tanto emitidos quanto recebidos é preciso esperar a data de compensação — ou seja, quando efetivamente fizerem parte da movimentação financeira — para que possam ser considerados no fluxo de caixa. Para facilitar o controle desses cheques em sua empresa, procure fazer um relatório separado e faça o cruzamento e conferência com o seu extrato bancário.

 

No caso das compras e vendas a prazo, o lançamento dos valores no seu controle de fluxo de caixa somente deverá ocorrer quando as parcelas forem pagas ou recebidas e não no momento da aquisição ou venda de algo.

 

Por fim, é preciso estar de olho e não superestimar seu valor de vendas e estar atento àqueles valores como, por exemplo, cheques pré-datados, além de compras e vendas a prazo, que somente deverão fazer parte da movimentação quando forem convertidos em dinheiro.

 

Com essas dicas, fica muito mais fácil ter um bom controle de caixa e assim evitar que sua empresa sofra com algo que poderia ter sido evitado.

&nbsp

Outros artigos:

Fluxo de caixa e DRE, entenda a diferença

Fluxo de caixa: Tudo o que você precisa saber

O que é Centro de Custo e quais as vantagens de usá-lo em sua empresa

Materiais educativos 


Deixe seu comentário