Como o planejamento tributário pode fazer sua empresa economizar?

Escrito por:

Independentemente da época, as empresas sempre buscam a redução de seus custos operacionais, seja por meio da melhoria dos procedimentos operacionais e administrativos ou do planejamento tributário, que é a forma legal de pagamento de menos tributos, também conhecida como elisão fiscal.

 

O planejamento é uma das únicas ferramentas de economia para as empresas que não depende dos clientes, e apenas o conhecimento da legislação tributável aplicada a cada atividade permitirá que ele seja bem realizado. Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? Então confira nosso post!

 

O planejamento tributário não depende de alteração na produção

Sabe-se que a elaboração o planejamento tributário só depende da sua própria empresa. Contudo, também depende também do conhecimento das leis vigentes no país. Para que os custos gerais sejam reduzidos, alguns procedimentos precisam ser seguidos.

 

Antes de pensar em realizar um planejamento tributário, toda empresa deve arrumar a casa, o que significa fazer reeducação em relação aos procedimentos administrativos e operacionais, além do comprometimento de todos os funcionários em busca desse objetivo, processo que pode levar certo tempo.

 

Além disso, o planejamento tributário exigirá o entendimento de todas as atividades para que sejam simuladas possíveis situações envolvendo receitas, despesas e custos, e por consequência lucro e prejuízo, o que é essencial, por exemplo, para determinar o melhor enquadramento tributário para a empresa.

 

Regimes de tributação

Outra possibilidade é fazer a simulação de cenários distintos que sua empresa poderia ter passado se tivesse uma configuração tributável diferente. No Brasil, há três regimes de tributação que podem ser utilizados pelas empresas: Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional.

 

Lucro Real

O Lucro Real considera o lucro obtido nas operações, sendo caracterizado pela diferença entre as receitas obtidas e os custos incorridos. Quando a empresa possui uma margem de lucro muito elevada, pode não ser a melhor alternativa a ser utilizada. Como a tributação é realizada com base no lucro, quanto maior a margem, maior será a base tributável.

 

Lucro Presumido

O Lucro Presumido não enfatiza tanto o controle das despesas para efeitos fiscais, pois define a presunção de lucro para cada atividade operacional. Essa presunção pode chegar a 32%, dependendo da atividade desempenhada por sua empresa. Essa comparação direta realizada com o Lucro Real poderá indicar, entre os dois, qual é a melhor alternativa para a sua empresa.

 

Mesmo que a margem de lucro seja, por exemplo, de 80%, se sua empresa estiver enquadrada no Lucro Presumido entregará como base de cálculo 32% do faturamento e não mais a diferença entre as receitas e as despesas. Para descobrir qual é o melhor regime de tributação para a sua empresa, não há alternativa a ser utilizada que não seja a simulação de períodos futuros com base nos períodos passados.

 

Simples Nacional

Algumas empresas, buscando a redução de gastos, podem buscar como alternativa no planejamento tributário o enquadramento no Simples Nacional. Com ele, as obrigações são reduzidas, mas o nível de faturamento também cai. De qualquer forma, se você pensa em reduzir sua carga tributária, definitivamente o Simples Nacional deve ser analisado. Verifique apenas se sua empresa pode aderir a este regime de tributação.

 

A principal meta do Simples é de impulsionar os negócios de menor estrutura, fazendo com que eles paguem menos enquanto ainda são pequenos e faturam pouco, deixando mais recursos disponíveis para investimentos em outras áreas.

 

O Simples é a união de vários impostos diferentes em uma única via de arrecadação, o que agiliza os processos burocráticos por parte das empresas, ganhando tempo e gerando menos necessidade de pessoal administrativo.

 

Cuidados com o Simples Nacional

Como você já viu, não são todas as modalidades de empresas que podem aderir ao Simples Nacional. Há restrições não somente com relação ao tamanho, mas também ao tipo de atividade. Recentemente, o governo aumentou as alíquotas dos impostos para as empresas enquadradas no Simples Nacional, mas permitiu que várias atividades, antes proibidas, agora pudessem ter esta alternativa como regime de tributação.

 

O fato é que a comparação deve ser feita entre as três modalidades: Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional, com o cuidado de identificar os planos de médio prazo que a empresa possua. Se a intenção for um crescimento mais acelerado e o Simples Nacional for apontado como melhor opção inicialmente, deve-se analisar novamente a situação a partir do quinto ou sexto ano de atividade da empresa.

 

Essa situação é muito comum em empresas que deixaram de ser novatas no mercado, estão em franco crescimento, mas não podem mais se enquadrar no Simples Nacional por causa do nível de faturamento, por exemplo. Para elas, restam apenas o Lucro Real e o Lucro Presumido, e essa simulação deve ser feita ainda durante os primeiros passos da empresa ou o quanto antes.

 

O planejamento tributário organiza a contabilidade

Independentemente do regime tributário identificado como mais adequado, é importante que sua empresa mantenha a escrituração contábil sempre em dia, pois para a simulação do Lucro Real, por exemplo, todos os dados contábeis serão necessários — é com base no passado e com projeções para o futuro que são feitas as principais simulações e verificação de possibilidades para sua empresa.

 

De qualquer forma, uma das formas mais efetivas de se colocar o planejamento tributário em prática em qualquer empresa é a comparação entre os diversos regimes tributários. Isso traz economia de longo prazo e dá suporte aos investimentos, uma vez que você poderá utilizar os recursos para investir em sua empresa. Saiba que não somente o planejamento tributário é importante, mas também o planejamento orçamentário, já que sua empresa precisa estar atenta a todos os aspectos para ter um diferencial competitivo em um mercado cada vez mais acirrado.

 

Leia nosso post sobre o assunto e faça um planejamento completo em todas as áreas da sua empresa!

 

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

Caixa 2: Entendendo os riscos de prestar serviços sem nota fiscal
Por Controlle
Descubra o melhor regime tributário para sua empresa
Por Controlle
Simples Nacional: entenda o que muda na tributação para 2018
Por Controlle
5 coisas que a sua empresa precisa saber sobre o IR 2015!
Por Controlle
Controlle
Controlar as finanças da sua pequena empresa
ou startup, não precisa ser chato.

Conheça o Controlle, um gerenciador financeiro perfeito pra quem não gosta de perder tempo.

Faça como mais de 20 mil pessoas e receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter a gestão da sua empresa em ordem.