É hora de fechar a empresa? Veja 4 sinais de que os negócios vão mal (e saiba o que fazer)

Escrito por:

Encerrar as atividades e extinguir a empresa: esta é a situação que qualquer empreendedor quer evitar. Apesar dos esforços, no entanto, o quadro é mais comum do que se imagina. Pesquisa realizada este ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelou que 50% das empresas no Brasil fecham as portas após 3 anos em funcionamento. As explicações para a mortalidade precoce desses empreendimentos podem ter diversas origens: momento econômico do país, dificuldades financeiras e mercado explorado já obsoleto, entre muitos outros.

 

Na maioria dos casos, inclusive, a postura é recomendada e requer sensatez do empreendedor, já que é a saída para amortizar os prejuízos e proteger alguns bens. No entanto, como reconhecer que o negócio não vai bem? Quais são os principais sinais e indícios de que devo tomar essa decisão tão drástica? Nós iremos abordar neste post as principais características de empresas com riscos de falência, mostrando também os caminhos necessários para reverter esse quadro ou, se for o caso, encerrar formalmente as atividades.

 

Os quatro principais sinais de que uma empresa vai mal

É evidente que a queda das vendas é o principal sinal de que sua empresa está enfrentando dificuldades, principalmente se essa queda impactar nas margens de lucro. Apesar disso, se identificar previamente os motivos que justifiquem a baixa lucratividade, o empreendedor pode facilmente tomar algumas medidas para colocar o empreendimento de volta nos trilhos.

 

Conheça os principais sinais e saiba como contornar os problemas. Se a sua empresa possui uma ou mais dessas características, é sinal de alguma coisa tem que mudar:

 

1 – Aumento no número de reclamações dos clientes

Dificilmente um cliente que esteja insatisfeito com os seus produtos e serviços voltará a fazer negócios com você. O primeiro ponto que o empreendedor deve observar é se as queixas dos clientes possuem algum padrão, para que o problema seja resolvido de forma definitiva. De nada adianta agir pontualmente, se os problemas estão na estrutura da empresa.

 

Na maioria dos casos, os erros são cometidos por falta de capacitação dos funcionários e falhas nos processos internos, que devem ser resolvidos e identificados através do diálogo.

 

2 – Aumento na rotatividade de funcionários

Não é preciso buscar origens externas para identificar se a sua empresa vai mal. Muitas vezes, a resposta é dada internamente, pelos próprios funcionários, ao deixarem a empresa com frequência. Trabalhar com profissionais insatisfeitos significar entregar um atendimento e um serviço sem qualidade.

 

Para contornar esse problema, o empreendedor deve manter um canal aberto para o diálogo entre os funcionários, medida que é ainda mais fácil em micro e pequenos empreendimentos. Saber ouvir críticas e buscar a diplomacia é papel de qualquer empreendedor.

 

3 – Impactos nos fluxos de caixa

Segundo o Sebrae, a desorganização financeira é a principal causa para a mortalidade das empresas no Brasil. Mesmo se o negócio vai bem, uma gestão amadora facilmente irá cometer erros que comprometerão o caixa do empreendimento. Para evitar esse problema, é preciso que o empresário faça uma boa gestão dos fluxos de caixa, planejando sempre suas entradas e saídas.

 

Além disso, é preciso ter domínio das despesas fixas e variáveis do empreendimento, de modo que o empreendedor possa estabelecer metas claras para custear esses gastos mensalmente.

 

4 – Baixa produtividade

Por fim, outro problema bastante recorrente nas empresas, que vai impactar diretamente no seu sucesso ou fracasso. A improdutividade muitas vezes está ligada ao retrabalho ou à sobrecarga de trabalho. É preciso, além da capacitação profissional, melhorar os processos internos para que as operações da empresa funcionem de forma mais fluída.

 

Quando encerrar as atividades?

Se, em algum momento, você já utilizou todas as estratégias de marketing possíveis para divulgar o produto e a empresa, sem resultados, ou entrou nos limites do cheque especial e usou linhas de capital de giro, mas, ainda assim, não consegue superar dívidas ou, pelo menos, melhorar a margem de lucro, é sinal de que você deve considerar a possibilidade de fechar o negócio.

 

Normalmente, após a elaboração de um plano de negócios para reestruturar o quadro financeiro e econômico da sua empresa, os resultados devem aparecer após dois anos. Isso quando o empreendimento conta com boas reservas em capitais de giro. Caso isso não ocorra, a atitude mais sensata pode ser jogar a toalha.

 

Como encerrar as atividades?

É importante lembrar que esse procedimento pode levar até um ano no Brasil, por isso, o quanto antes identificar a falência, melhor. O primeiro passo é comprovar que a empresa não possui pendências através da emissão das CNDs (Certidões Negativas de Débitos), para que, posteriormente, o empreendedor possa elaborar e assinar o Distrito Social.

 

Com o documento em mãos e assinado, uma cópia deve ser enviada à Junta Comercial do Estado, outra à Receita Federal e, por fim, à Secretaria da Fazenda e à Prefeitura, que verificarão se a situação da empresa está realmente regularizada. Lembre-se também de regularizar a sua situação com os trabalhadores através da Sefip.

 

Como andam os seus negócios? Reorganizar suas finanças pode ser a chave para fugir da falência!

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

Emita seus Boletos de cobrança com o Controlle
Por LARISSA
Customer Success: o que é e por que investir nessa estratégia?
Por Controlle
Missão, Visão e Valores: aprenda a definir as da sua empresa
Por Controlle
O que é Centro de Custo e quais as vantagens de usá-lo em sua empresa
Por Controlle
Controlle
Controlar as finanças da sua pequena empresa
ou startup, não precisa ser chato.

Conheça o Controlle, um gerenciador financeiro perfeito pra quem não gosta de perder tempo.

Faça como mais de 20 mil pessoas e receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter a gestão da sua empresa em ordem.