Empresa crescendo: Hora de organizar as finanças!

Escrito por:

A rotina dos pequenos empreendedores não é fácil! Eles geralmente correm de um lado para o outro cumprindo várias tarefas de todos os setores do negócio. Com o foco na produção e venda, demandas diárias, urgentes e essenciais, a organização financeira pode acabar ficando em segundo plano, para quando sobrar um tempinho.

 

Focar na gestão financeira apenas quando possível pode ser extremamente perigoso, principalmente à medida que o empreendimento for crescendo e a entrada de dinheiro também. Chega um momento no qual anotar em um papel quanto é preciso pagar no dia tal para o fornecedor e guardá-lo no bolso simplesmente pode te fazer perder o controle e, consequentemente, dinheiro. Se a organização das finanças não for feita da maneira adequada, fica bem difícil projetar valores a serem gastos, planejar reduções e cuidar para que as despesas não ultrapassem seus limites.

 

Para continuar crescendo e lucrando, uma empresa não pode deixar de dar valor à organização das informações necessárias para uma ótima gestão financeira do negócio. Mas como começar a coordenar as finanças empresariais?

 

Três passos básicos para organizar as finanças

O Sebrae, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, aconselha que o empreendedor comece com três conceitos elementares: fluxo de caixa, demonstrativos de resultados e balanço patrimonial. Eles são os principais instrumentos de análise e planejamento das pequenas empresas que pretendem crescer.

 

1 – Fluxo de caixa
O primeiro, o fluxo de caixa, é o mais essencial de todos e serve para indicar os valores que foram pagos e os que foram recebidos em um determinado período de tempo. É preciso ter total controle do dinheiro que entrou e do que saiu do saldo da empresa e apurar sempre o valor disponível em caixa. Esse fluxo é um processo contínuo e as informações dele são essenciais para o próximo passo, o demonstrativo de resultados.

 

2 – Demonstrativo de resultados
Com a indicação do volume de vendas, o custo das mercadorias vendidas, as despesas variáveis, as fixas e cruzamento dessas informações é possível apurar o lucro líquido de sua empresa. Esse processo é o demonstrativo de resultados, que serve de diagnóstico para seu negócio. É ele que responde onde estão os custos que podem ser diminuídos, onde você precisa investir, como controlar os estoques de mercadorias diversas, dentre outras ações.

 

3 – Balanço patrimonial
Ja o balanço patrimonial precisa conter os indicadores do ativo (valores a receber) e do passivo (valores a pagar) da empresa. Essa conta irá apontar qual é o patrimônio líquido, que representará quais são os recursos próprios da empresa.

 

De acordo com o seu tipo de negócio, outros conceitos e controles devem ser adicionados aos básicos. A ideia aqui é manter o total controle do que sai, do que entra e de quanto capital está investido na empresa.

 

Desenvolvendo a gestão com o uso de softwares

Dados os primeiros passos e estabelecidas as ferramentas de controle do fluxo de capital da empresa, é hora de se cercar de ferramentas que podem otimizar a gestão dessas informações. Para os empreendedores que não possuem uma equipe financeira à sua disposição, a dica é investir em softwares que podem fazer a maior parte do trabalho de controle.

 

Os softwares disponíveis hoje no mercado são capazes de otimizar diversas tarefas a um custo extremamente menor, já que não há armazenamento, uso de papel e uma grande equipe. Eles ajudam a aumentar a produtividade da empresa, a relação com os empregados e clientes e, claro, a gestão financeira. Os programas que não podem faltar em uma pequena empresa são os do tipo ERP, de planejamento de recursos empresariais e os CRM, de gestão de relacionamento com os consumidores.

 

Softwares e até mesmo aplicativos de gestão básica podem ser acessados tanto do computador, quanto de dispositivos móveis. O melhor é que tudo é simples de ser atualizado e as informações ficam armazenadas online, de forma segura.

 

O melhor é que os softwares estão cada vez mais baratos pois empresas de tecnologia têm investido em novidades que ajudam os pequenos empresários a controlar de maneira simples e objetiva a gestão financeira.

 

Controlar é saber como gastar

Não basta ter todo o movimento de capital descrito em planilhas para gerir com competência suas finanças. Aprender onde e quando gastar também faz parte do controle financeiro. É preciso saber investir estrategicamente em setores que irão possibilitar o crescimento do negócio.

 

Marketing
O marketing, por exemplo: um investimento em divulgação da marca pode consolidar sua empresa no mercado. Mas é preciso planejamento e é possível calcular esse retorno testando estratégias e evoluindo com o progresso da marca.

 

Capacitação profissional
Treinamento de funcionários é outro tipo de gasto que, se bem planejado, gera um retorno quase imediato para a empresa. A capacitação de pessoal pode acarretar a fidelização dos clientes e o melhor aproveitamento da mão de obra disponível. O que, a médio e longo prazo, é capaz de trazer um considerável aumento na receita.

 

ROI: Retorno sobre o investimento
Aqui é preciso estar de olho em uma sigla chave: ROI. Essas três letras representam o coeficiente do retorno sobre o investimento e para ser calculado, é preciso manter as finanças básicas sob controle monitorando o aumento da lucratividade.

 

Educação financeira
A educação financeira é essencial para a vida longa e saudável de uma empresa. Tome as rédeas das contas de seu empreendimento o mais rápido possível. Hoje em dia, não é um bicho de sete cabeças manter esse controle e com ele é possível mapear as áreas que precisam da sua atenção e o que pode ser feito para incrementar seu negócio investindo em setores pontuais.

 

O sucesso de um negócio não depende totalmente do controle financeiro, mas de como ele é feito. Justamente por isso é importante conhecer os conceitos, as ferramentas que otimizam essa tarefa e gastar com sabedoria o dinheiro. Somente a partir de um bom controle financeiro é possível manter o que foi conquistado e alcançar novos objetivos.

 

Como é realizado o controle financeiro na sua empresa? Você tem dúvidas sobre o tema? Deixe sua mensagem nos comentários!

Categorias:

Achamos que você vai gostar desses posts, também.

5 Motivos para a sua empresa investir num sistema de controle financeiro
Por Controlle
Simples Nacional: entenda o que muda na tributação para 2018
Por Controlle
Dicionário financeiro: 20 termos que todo o empreendedor precisa entender
Por Controlle
Como escolher uma contabilidade para sua empresa sem errar?
Por Conube
Controlle
Controlar as finanças da sua pequena empresa
ou startup, não precisa ser chato.

Conheça o Controlle, um gerenciador financeiro perfeito pra quem não gosta de perder tempo.

Faça como mais de 20 mil pessoas e receba GRÁTIS em seu email centenas de artigos e dicas para manter a gestão da sua empresa em ordem.