Plano de negócio: Um guia completo para fazer na sua empresa

Quem deseja abrir uma empresa ou já empreende, mas quer ver melhores resultados não pode ficar sem um plano de negócio. Ele consiste em uma etapa crucial para a estruturação de uma empresa, ajudando a organizar sua estrutura funcional e financeira em um modelo viável.

Ou seja, ele é um passo muito importante para o sucesso. Quem vai abrir uma empresa pode utilizá-lo como um instrumento para avaliar o risco e o benefício de um investimento, bem como refinar uma ideia para ter maior chance de prosperar no mercado. E quem já lidera uma organização pode aplicá-lo como uma ferramenta para realizar ajustes a fim de promover melhoras no desempenho.

No entanto, muitos empreendedores ainda ficam perdidos quando o assunto é plano de negócio. Pode ser difícil saber por onde começar e como desenvolver um que contemple de modo adequado suas necessidades, sua proposta de valor e as soluções que você pretende oferecer ao mercado.

Pensando nisso, elaboramos este artigo especialmente para ajudar nesta tarefa. Aqui você vai aprender o que é um plano de negócio, por que ele é tão importante, quais são os principais tipos de planos de negócios e como montar o seu, de acordo com as individualidades da sua empresa.

Continue com a gente!

O que é um plano de negócio?

O plano de negócio é um documento escrito, onde constam todos os detalhes da empresa.

Desde o segmento de atuação, alcance geográfico, requisitos operacionais, recursos e equipamentos necessários para a montagem da estrutura e quadro de pessoal até o investimento necessário, entre outros fatores indispensáveis para a criação do negócio.

Além disso, ele elenca os objetivos da organização, tanto em termos de missão, visão e valores, quanto no que tange às finanças. Outro aspecto importante é que ele não apenas delineia estas metas, mas também descreve os passos necessários para alcançá-las.

Em resumo, um plano de negócio é o roteiro que detalha a empresa sob as óticas financeira, de marketing e operacional.

Por que é importante ter na sua empresa?

O plano de negócio é o alicerce de uma empresa, ele norteia o caminho a seguir e aponta a viabilidade do projeto, permitindo os riscos e potenciais retornos do investimento sejam analisados. Neste contexto, o plano de negócio é um documento importante para a organização interna e para o levantamento de fundos.

Por exemplo, quando se deseja atrair investidores para a organização, um plano de negócio é o retrato falado do projeto, que permite aos potenciais parceiros entenderem do que se trata e o quão valioso é o investimento. Além disso, ajudam empresas sem histórico comercial a demonstrarem seu valor de forma tangível e a estabelecerem expectativas realistas quanto aos retornos futuros.

Internamente, o plano de negócio permite aos executivos e gestores trabalharem de forma assertiva, alinhados rumo a um objetivo em comum. Assim, os recursos são mais bem aproveitados e é possível obter maior retorno na aplicação de ações estratégicas.

Vale lembrar que apesar de serem de grande valia para a concretização de novos empreendimentos, mesmo organizações já consolidadas devem fazer seu plano de negócio. Além disso, é preciso ter em mente que o mercado é dinâmico e está em constante transformação. O comportamento do consumidor muda, concorrentes entram e saem de cena, novas soluções são lançadas, tecnologias tornam-se obsoletas, ameaças e oportunidades surgem a todo momento…

Assim, é recomendado que toda empresa revise seu plano de negócio periodicamente. Pode-se verificar e atualizar as metas, bem como os passos para atingi-las, ou até mesmo criar um plano totalmente novo.

Tipos de plano de negócio

Não existe um formato certo ou errado para o plano de negócio. Contanto que ele contemple com abrangência o escopo do seu empreendimento e do mercado em que atua ou pretende ingressar, é um bom plano.

Dito isto, existem basicamente três tipos de planos de negócio. Veja a seguir!

Plano de negócio completo ou tradicional

Este é o modelo mais clássico, e também o mais abrangente. Ele aborda em detalhes a montagem e os objetivos da empresa, bem como especificidades do mercado aonde ela vai se inserir. Assim, ele pode ter cerca de 40 páginas.

Geralmente é aplicado em negócios de alto nível de complexidade, como na indústria, em franquias, organizações com múltiplas sedes ou multinacionais.

Outra situação que requer um plano mais extenso como este é quando se necessita de um aporte maior de investimentos. A riqueza de informações ajuda a aumentar a confiança dos investidores, melhorando o potencial de captação de recursos.

Plano de negócio simplificado ou resumido

Este plano de negócios pode ser o documento oficial da organização, ou uma versão sintetizada do plano tradicional. Quando é o plano oficial da empresa, geralmente se aplica a negócios de menor porte, em operações menos complexas.

Quando ele é uma versão resumida de um plano mais completo, serve para dar uma amostra a possíveis investidores. Assim, eles podem avaliar o potencial do negócio antes de se dedicarem à análise de um documento mais extenso.

O plano de negócios simplificado geralmente tem cerca de 15 páginas.

Plano de negócio operacional

Este plano de negócio é para uso interno. Sua função é demonstrar aos executivos os objetivos e recursos da empresa, a fim de alinhar os esforços de gestão. É também um excelente instrumento para o onboarding (processo de entrada) de novos membros administrativos na equipe.

Seu tamanho pode variar conforme a complexidade do negócio.

Como fazer esse planejamento na sua empresa?

Agora que você já sabe mais sobre este documento, chegou a hora de elaborar o seu. O processo é detalhado, mas seguindo uma estrutura lógica torna-se muito simples.

Veja a seguir como montar o seu plano de negócio!

• Sumário executivo: sessão que informa a estrutura da sua empresa. Inclui dados como sócios, segmento de atuação, caracterização jurídica, enquadramento tributário, capital social, origem dos recursos, missão e valores.
• Análise de mercado: esta parte se dedica aos diferentes fatores que compõem o seu mercado como perfil do consumidor, viabilidade técnica, fornecedores e análise da concorrência.
• Planejamento operacional: detalha o seu modelo de negócio e tudo o que a empresa precisa para funcionar, com base nos dados levantados na análise de mercado. Inclui requisitos de espaço físico, levantamento de equipamentos e maquinário, custos fixos e variáveis, quadro de profissionais necessário, projeção da capacidade produtiva e processos operacionais.
• Planejamento de marketing: para vender, é preciso divulgar. Esta etapa ajuda a delinear as ações promocionais para levar seu negócio ao conhecimento do seu público-alvo. Deve incluir: descrição detalhada dos produtos e serviços, abrangência geográfica do atendimento, viabilidade de condições promocionais, calendário promocional, verba disponível para ações.
Planejamento financeiro: a partir das demais informações, é possível fazer o levantamento financeiro do seu negócio. Esta seção apresenta investimento em equipamentos, custo imobiliário, custos de pessoal, custos fixos e variáveis do negócio, capital de giro, custos de insumos, estimativas dos custos de comercialização, estimativa de faturamento, estimativa de prazo de retorno, resumo do investimento necessário.

Com o seu plano de negócio concluído e a empresa aberta, o próximo passo é acompanhar de perto os resultados e o desempenho financeiro do empreendimento. Isso vai garantir que o retorno do investimento venha dentro do prazo esperado e que seus objetivos e ações possam ser ajustados conforme as necessidades surjam.

Para isso, o ideal é ter um sistema completo de controle das finanças, como o Controlle. Ele permite acompanhar detalhadamente todas as receitas e gastos da empresa, deixando você sempre à frente de qualquer imprevisto.

Sistema de controle financeiro

Deixe seu comentário
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade